Todo trabalho deve ser recompensado, porque a sua vida pode depender disso…

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on print

Não sei se você sabe, mas trabalho em um escritório contábil desde os meus 13 anos.

Era uma pequenina empresa familiar e tínhamos nossa sede numa salinha pequena, em um bairro chamado Jardim Ubirajara, localizado na Zona Sul de São Paulo.

Nossa salinha ficava em um prédio que tinha um dentista e uma escola de datilografia. Sim! Datilografia! Os mais velhos saberão o que é isso, rsrs.

Enfim, nossa sala tinha 3 mesas. Trabalhávamos eu, minha mãe e uma prima.

Um dia, estávamos eu e minha prima trabalhando quando chega um rapaz alto, encorpado e pergunta:

“Vocês fazem recibo de compra e venda?”. 

Claro que, como pessoa proativa que era (na verdade, interessada no dinheirinho que ia entrar), respondo prontamente com um sorriso nos lábios:

“sim”. 

O rapaz, então, coloca um revólver no balcão e me diz: “estou vendendo essa arma e preciso de um recibo.”

Minha prima, sabiamente, se agachou e foi para debaixo da mesa. Eu senti aquele geladinho na coluna, os joelhos tremiam e o coração foi a mil. Vi minha pequena vida passando diante de meus olhos. Porém, não podia recuar, afinal, se ia morrer, ia morrer no cumprimento do meu dever.

Peguei um papel e anotei os dados necessários para a elaboração do recibo. Tremendo, me sentei, coloquei o papel na minha Remington, o nervosismo era tão grande que a folha não ia reta e os dedos tremiam – acho que foi o mais longo trabalho de datilografia de minha vida.

Finalmente, eu termino, caminho lentamente e entrego a ele o recibo. Ele confere, olha para mim e pergunta:

“quanto é?”. 

Eu, com minha voz trêmula e querendo agradar, pensando que, talvez assim, minha vida fosse poupada, respondo:

“nada não, senhor”. 

Ele olha para mim fixamente por – em minha opinião, umas 15 horas de total o terror – uns 30 segundos e me responde:

“menina, todo trabalho deve ser pago” e me entrega, em dinheiro de hoje, uns R$ 50,00. Pegou o seu recibo e foi embora. 

Alguns anos mais tarde, ao estudar contabilidade do terceiro setor, aprendo que até o trabalho voluntário tem seu custo – mesmo que não seja pago. Ele é contabilizado pelo valor de mercado daquele trabalho e tem sua contrapartida como uma receita de voluntariado. Interessante não?

Sábio esse conselho você não acha?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on print

Deixe um comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



Aqui você terá dicas incríveis sobre: contabilidade, finanças, planejamento tributária e empreendedorismo, além de ótimos conteúdos motivacionais. Cadastre-se agora!
Recomendado
A prefeitura da cidade de São Paulo vai assinar hoje…
Open chat