Reflexão sobre o Repolho, a Polícia e a Vida

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on print

A minha colaboradora chegou atrasada ao trabalho. Chegou esbaforida, cansada e foi direto para a minha sala.

Perguntei a ela o que havia acontecido e ela me narra a seguinte história:

Meus pais se separaram e continuam morando na mesma casa. Eles dividiram tudo na casa: gaveta da geladeira, portas do armário, quartos, tudo. Estamos vivendo em um campo de guerra. Parece o filme a Guerra dos Roses.

Meu pai chega em casa e vai até a geladeira e abre a gaveta. Qual a surpresa? O repolho sumiu! E ai começa a gritaria e a discussão: Cadê meu repolho? Cadê meu repolho? Quem comeu meu repolho?

Minha mãe calmamente vai até ele (só para constar: a mãe dela é uma pessoa muito alegre e sem noção) e diz:

“JOGUEI FORA POIS ESTAVA PODRE!”

O pai, nervoso e exaltado, diz a ela:

“quem mandou jogar fora o meu repolho?” e começa a discussão. Ele (também sem noção) chama a Polícia. Sim, a POLÍCIA.

Eis que chega a viatura policial. Bate na porta e o policial pergunta: “qual o problema?”, muito provavelmente, preparado para uma ocorrência familiar de agressão e essas coisas. O pai, com toda a mágoa, raiva e razão, conta ao policial o ocorrido.

O policial, totalmente pasmo, dá uma lição de moral nos dois e diz que, da próxima vez, vai prender o repolho, a mãe e o pai.

Quando ela terminou, minha reação foi rir. Rir muito. Ela também riu e ainda brincamos com a situação, pois imaginamos o repolho indo para o IML fazer exame de corpo de delito.

Esse fato ocorreu já há uns 20 anos. Esses dias me lembrei dele e fiquei pensando:

“qual é o repolho que está ocupando espaço na gaveta da minha vida. O que está estragado em minha mente ou coração que eu ainda tento a todo custo preservar para manter o espaço ocupado?”

Pode ser mágoa pelo passado, pode ser a lembrança de alguém que nos feriu, ou uma ideia de um sucesso que nunca vou ter.

Quando vou chamar a “Polícia” que, no caso dos meus repolhos, seriam a minha consciência, o perdão ou a empatia para dar encerramento aos meus dilemas repolhudos que estão estragados e que, infelizmente, podem contaminar todo o cesto de boas novas que estão a procura de espaço nesta gaveta?

Estou limpando minha geladeira e, rapaz, estou até com medo do IML.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on print

Deixe um comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



Aqui você terá dicas incríveis sobre: contabilidade, finanças, planejamento tributária e empreendedorismo, além de ótimos conteúdos motivacionais. Cadastre-se agora!
Recomendado
O Dia Livre de Impostos é uma maneira de mostrar…
Open chat